sábado, 26 de maio de 2012

Pelo Bem da Humanidade!

O cientista araguarino Luciano Lima e aluno do conservatório da cidade, segundo classificação da Veja fica em terceiro lugar entre as sete invenções pioneiras de 2011.

image

A invenção é um meio de prevenir vários tipos de câncer!

Tatiana Lima

No ano passado, uma invenção do pesquisador Luciano Lima de mais de quatro anos atrás teve destaque com o aviso da OMS que o celular poderia causar vários tipo de câncer no cérebro. Luciano é doutor em inteligência artificial na Universidade de São Paulo (USP) e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Ele criou uma capa protetora que consegue bloquear a radiação do celular para proteger a família. Sua sobrinha Nayara Costa andava tendo muitas dores de cabeça por causa do celular, o pesquisador já sabendo da radiação emitida pelo aparelho resolveu desenvolver uma proteção para ela.

Essa invenção rendeu história. A notícia foi publicada em diversos veículos do Brasil inteiro, e um deles foi a versão online da revista Veja. Como se não bastasse, a revista ainda classificou a invenção do professor como uma das “Sete teses e invenções pioneiras de 2011”. Entre as criações inovadoras estavam dois ganhadores do prêmio Nobel, e outros quatro pesquisadores de vários países do mundo. Luciano Lima foi o único brasileiro da lista.

O aparelho criado por Luciano Lima é fácil de levar e permite quem se preocupa com a radiação do celular não deixe de usá-lo. As capas de proteção ainda são feitas manualmente pelo próprio professor. Isso porque apesar da importância da invenção, Luciano ainda não conseguiu um investidor, apenas fez algumas peças para familiares e amigos.

O anúncio da OMS em maio do ano passado foi resultado de uma década de pesquisa, com um investimento de 22 milhões de euros. Trinta e um cientistas de quatorze países diferentes foram os responsáveis por descobrir esse resultado.

O celular não prejudica somente quem usa, mas também qualquer um que esteja por perto. A média no Brasil é de um celular por habitante. A capa é feita de uma liga de aço e um material magnético e é semelhante a capas que hoje são usadas para proteger os celulares de tombos. O custo hoje para o comprador é de 20 a 50 reais, e se fosse produzido industrialmente poderia cair pela metade.

http://veja.abril.com.br/1000-fatos-2011/sete-teses-e-invencoes-pioneiras.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário